Conversar ou passar o chinelo?

 

Usarmos o Chinelo é, muitas vezes, uma necessidade benéfica para o nosso filho que resiste, age com rebeldia e, até mesmo, nos desafia, mesmo apos conversar  e insistir diversas  vezes.

“O que não faz uso da vara/chinelo odeia seu filho, mas o que o ama, desde cedo o castiga” (Provérbios 13 :24).

Para facilitar a nossa decisão de se devemos ou não passar o chinelo em nossos filhos, vejamos dez fatores a considerar:

1- Antes de punir seu filho, avise-o. Para sermos rígidos temos que ter motivos óbvios, como por exemplo: rebelião contra normas já existentes, agressão física a outros; desobediência a uma ordem dada.

2- Deixe claro qual é a responsabilidade da criança, por sua desobediência. Ela tem que saber que ela é responsável pelo seu erro e que precisa evitar, por isso você está falando, pois do contrário haverá punição conforme a gravidade.

3- Evite constrangimento e interferência externa. Procure disciplinar o seu filho em particular, nunca em público. Se você o corrige em público, você vai desmoralizá-lo.
Por favor, JAMAIS diga: “Ele bem que merece passar esta vergonha!“!

Amamos nossos filhos e queremos educá-lo para se tornar um adulto feliz e auto-confiante. E se fizermos isso, poderemos começar a moldar seu futuro com esse pensamento de que merece sofrer!

4- Comunique seu lamento maternal quanto ao erro feito. Converse com ela e procure tanto se acalmar como acalmar a criança, a fim de obter dela, um arrependimento real.

5- Associe amor à disciplina física. Mostre que você vai discipliná-lo porque o ama. Ele pode até questioná-la mas mostre-lhe que isto é verdade.

6- Use um objeto neutro para disciplinar fisicamente, como os famosos educadores, o chinelo e a varinha.
Nunca use a mão, pois é com ela que acariciamos e abraçamos nossos filhos.
A correção persistente pode quebrar a teimosia.

7- Discipline ou bata até que a vontade seja quebrada. Nunca castigue seus filhos com ira ou raiva. Procure antes se acalmar para poder conversar e aplicar a correção equilibradamente, pois se você estiver irado pode até fechar o espírito da criança e não a sua vontade.

“A vara e a repreensão dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe” (Provérbios 29:15).

8- Conforte a criança após a punição. Mesmo que ela não aceite o seu abraço, espere pacientemente mas procure abraçá-lo, pois esta sua atitude vai provar que você o ama e, independente da punição que sofrera, foi contra sua vontade e você não teve escolha devido o comportamento dela.

Sinceramente, prefiro sempre conversar e em somente caso extremos, utilizo o chinelo!
Se você, que é mãe, trabalha fora e tem pouquíssimo tempo para seu filho, pensa da mesma forma que eu, leia agora esse artigo abaixo, sobre  “Como Colocar Limites Nos Filhos Em Apenas 15 Dias“, pois ali fiz um resumo do que eu aprendi com um treinamento da Pedagoga Cristina Cançado, que me aproximou de meu filho como nunca antes e hoje praticamente aposentei o Chinelo! 😉 😀

Clique Aqui para Ler o Artigo.

Deixe Seu Comentário